Páginas

quarta-feira, 23 de março de 2011

Por que eu não aprendo nunca?

O colunista Sidney Harris conta uma história em que acompanhava uma amigo à banca de jornais.
O amigo cumprimentou o jornaleiro amavelmente, mas como retorno recebeu um tratamento rude e grosseiro.
Pegando o jornal que foi atirado em sua direção, o amigo de Harris sorriu polidamente e desejou um bom fim de semana ao jornaleiro.
Quando os dois amigos desceram pela rua, o colunista perguntou:
"Ele sempre te trata com tanta grosseria?"
"Sim, infelizmente é sempre assim".
"E você é sempre tão polido e amigável com ele?"
"Sim, sou".
"Por que você é tão educado, já que ele é tão indelicado com você?"
"Porque não quero que ele decida como eu devo agir"
.



Esse texto é na verdade a resposta ao título desse post. Por muito tempo eu ficava me perguntando em porque insistir em uma amizade que não existe há muito tempo, porque tratar bem uma pessoa que não me trata bem, porque fazer favores pra uma pessoa que nem ao menos AGRADECE aos favores que eu faço, o certo seria simplesmente deixar pra lá.Mas eu não posso deixar que outra pessoa decida como EU devo agir. E eu vou continuar sendo amigável sim, é o meu jeito...só não acredito mais, mas continuo sendo a mesma. Não é o comportamento de pessoas toscas, rudes, ignorantes que vai decidir como eu devo agir.Eu sou dona da minha vontade. Eu decido como devo tratar as pessoas de meu convívio!!!


That's All Folks


sábado, 19 de março de 2011

Exige muito de ti e espera pouco dos outros. Assim, evitarás muitos aborrecimentos....

Exige muito de ti e espera pouco dos outros. Assim, evitarás muitos aborrecimentos....

Essa frase de Confúcio é de um brilhantismo inexplicável, principalmente em tempo de globalização e facilidade de julgar, criticar, trollar pessoas que você mal conhece ou em alguns casos, nem conhece! A gente (e me coloco nesse meio) acaba esperando que todo mundo seja super, se decepcionando no primeiro sinal de humanidade e achando que pode aloprar a pessoa por conta disso (aconteceu comigo já, ao perceber que uma das pessoas que idealizei na infância, era GENTE), ou nos achamos melhores amigos pra sempre de gente que nunca nos olhou nos olhos e nos achamos no direito de entrar em briga, xingar e o caramba pra defender essa pessoa, sem nem ao menos querer saber o lado da outra (outra coisa que já me aconteceu. Talvez esse post todo seja mais pra mim do que pra qualquer um que vá lê-lo), acontece também de julgarmos, criticarmos, reclamarmos do que outra pessoa faz/fala/divulga/expõe da sua vida virtual e aí que entra a citação do Confúcio:”Exige muito de ti e espera pouco ds outros. Assim, evitarás muitos aborrecimentos...” É simples assim, tenho que cobrar apenas de mim, do outro tudo que tenho que ter em mente é que é limitado, que é GENTE! Seja o ídolo, o bofé, o amigo (pessoal ou virtual), o troll, o trollado...espere sempre pouco do outro, exija apenas de si! Afinal, a única vida que você pode mudar é a sua! Todos nascem e morrem, igual, o que fazemos no meio é que faz diferença!

quarta-feira, 16 de março de 2011

Rebecca Black, sua linda

Muito raro rolalarem dois posts por dia nessa bagaça, mas apaixonei em Rebecca Black e tô precisando compartilhar tanta lindeza com vocês!
A música é tosca, a letra não faz sentido, o auto-tunes grita e a Becky (ela me fez rir tanto que já somos BFF) canta tão bem quanto, sei lá...eu!!!
Fiquem com o vídeo de Friday:



E com as artes dos meus migs da interweb:








Ai gente, tem muito mais aqui!!!!

Sério, Rebecca Black FTW!!!!

Felicidade Realista

A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote
louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.
Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser magérrimos, sarados, irresistíveis.

Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema: queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas. E quanto ao amor? Ah, o amor... não basta termos alguém com quem podemos conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito.
É o que dá ver tanta televisão.

Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista. Ter um parceiro constante, pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando se trata de amor-próprio.

Dinheiro é uma benção. Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo,
usufruí-lo. Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o
suficiente para se sentir seguro, mas não aprisionado. E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda, buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e um pouco de criatividade.

Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno. Olhe para o relógio: hora de acordar. É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se.

Invente seu próprio jogo. Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração. Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade.


(Martha Medeiros )

terça-feira, 15 de março de 2011

Ah a ansiedade...

Desde Caindo na Noite me surgiu um defeito de fábrica por assim dizer, sempre que sei que vem uma nova expansão, o meu The Sims perde por completo a graça, já que fico na expectativa de realizar as interações que virão por aí.
Hoje decidi que usaria minha manhã de folga pra jogar The Sims até as crianças irem pra escola e eu ter o silêncio necessário pra estudar de fato, e lá fui eu...carreguei o jogo, escolhi um dos saved games, afinal um já está guardado pra eu jogar só depois do Gerações (no caso é o mesmo Saved que eu guardei pra jogar depois do Late Night) e comecei a jogar, na casa no meus Sims existe um quarto de jogos e olhando pra esse quarto fiquei pensando no baú de fantasias e nos 3 filhos dos meus sims brincando ali, fantasiados...e pronto, já estava eu imaginando o que poderia e eu gostaria que tivesse nessa expansão, a princípio pensei em postar na The Sims Brasil, mas depois do acontecido sobre a D.Morte eu fiquei com medo de falar de mais por lá e lembrei que eu tenho um blog, né? Fechei o jogo e vim contar pra vocês.
Mas aí o fantástico aconteceu, esqueci TUDO que havia me empolgado ao começar a escrever esse texto, juro!
Enquanto escrevia tive contato com um caso bizarro sobre uma pastora que foi estuprada e expulsa da igreja por conduta imoral (leia aqui) e de uma pessoa que condenou quem ajuda animais da tragédia de Teresópolis e disse que deveriam ajudar as pessoas e mimimi e que não tinha dinheiro mas ajudava com oração (leia aqui) e isso me distraiu por completo...primeiro pela intolerância religiosa, fanatismo e absurdos que vejo diariamente, depois pelo absurdo que é gente que acha que cachorro não merece amor, respeito e que animais tem que receber apenas o cuidado que sobrar das pessoas...e pra finalizar enquanto escrevia o texto pensei na minha terapeuta dizendo que eu fujo da realidade e comecei a pensar se minha entrega exagerada ao The Sims e minha ansiedade não são apenas um jeito de fugir da vida real, e os planos e expectativas pelo Gerações sumiram da minha mente.
Talvez o The Sims seja mesmo a minha válvula de escape, seja minha ilha livre de problemas. E aí entra uma outra questão e uma de imensa importância: Problemas fazem parte da vida e nos ajudam a crescer!
Mas antes que eu comece a divagar e o texto perca o sentido por COMPLETO, vou me encerrando por aqui.

That's All Folks!

sábado, 12 de março de 2011

Enquanto isso em Sim City...

Sou uma master fã de The Sims desde que fui apresentada ao primeiro da franquia há uns bons 9 anos atrás. Desde então não parei, claro que dar 7/8 horas de jogos diários (todos os dias) eu reduzi bastante e hoje tem dias que nem ao menos jogar eu jogo, afinal nesses 9 anos eu passei de 12 pra 23 anos, né?

Mas vamos falar do que me motivou a escrever esse post, sim?
Ontem eu tava passendo pela The Sims Brasil, comunidade que já foi falada nesse post aqui, e como faço pelo menos uma vez na semana, fui ver se tinham notícias sobre expansões...e tã dã, deparei com notícias das duas próximas expansões. Sabe o que é isso pra um ser humano que surta com expansões do The Sims, sabe?

E o pior é que as duas expansões me surtaram. A Generation que é a que deve sair agora em maio, me surtou porque tem formatura (prom night na verdade), carrinhos de bebê, filmadoras, casa da árvore, arco e bolo pra casamento...NOSSA!! E as fantasias pras crianças? Caracaaaaa!!!! Tudo de bom...




E aí...veio o maior surto de todos...O MAIOR SURTO DE TODOS...em outubro sairá o The Sims Unleashed, ou seja, ANIMAIS...sim...bichinhos, cachorros e gatos e mais, cavalos, peixes, hamsters...putz!!!!




Agora é ficar ansiosa igual, ou pior, do que fiquei com o Late Night (confira nesse post aqui)....

E é isso!
That's All Folks!

quinta-feira, 10 de março de 2011

Our babies will be smart and beautiful

Há um tempo atrás eu achei o site Make Me Babies e me lembro de ter me divertido horrores criando bebês com os bofes que eu achava gatinhos e também com famosos que eu achava gatinho. Hoje depois de ver fotos do meu futuro marido quando novo e imaginar como seria nossos filhotes, fui levada novamente a esse site.
A pequena Hope Badgley saiu uma graça, apesar do cabelo loiro de mais.... e a ideia original que era fazer um filho com cada celebridade subiu no telhado e decidi ter 2 com o Penn mesmo, mas aí meu fanatismo por séries me fez ficar meio louca e assim nasceu minha louca família.
Hope e Dallas (um casal de filhos, com Penn Badgley), Doug (com Jhonny Gallecki), Lilly (com Cory Monteith) e a caçula Jill (com Mark Salling).
Bora ver as crias?


Hope



Dallas


Doug


Lilly


Jill


Bom, acho que tirando a Hope o resto é feio de dar dó....

E eu me animei, bastante até, e tentei fazer as mesmas crias no Morph Thing mas deu TAAAANTO trabalho e eu não pude escolher o sexo do baby, então fiz só um baby com o Penn:



Well...já deu!

Gostou? Quer tentar? É só vir aqui: Make Me Babies (tem que fazer cadastro) ou Morph Thing. Ah e tanto em um quanto em outro, o filho não precisa ser com celebridades, pode ser com o bofe que você tem ou quer ter.O legal do Morph Thing é que dá pra misturar celebridades entre si e criar uma nova pessoa e aproveitando essa onda, vou criar um "marido perfeito" juntando Penn, Cory, Johnny e Mark só pra terminar esse post de boa.



Até que ficou pegável, né?


Well, That's All Folks!!!




terça-feira, 8 de março de 2011

Escrever me ajuda...

É verdade, o título trás em si a mais pura verdade a meu respeito, escrever me ajuda...sempre que estou triste, eu escrevo e melhoro, fico mais animada e com menos vontade de chorar, acho que chorar não me ajuda, o que me ajuda mesmo é escrever.
E eu tenho noção plena de que não sou a rainha da escrita, meu português muitas vezes falha, minha ideia saem confusas e as vezes o que eu quero dizer não sai da maneira que deveria sair, mas é porque escrevo mais pra mim do que pros outros. No fim das contas, escrevo só porque isso me ajuda.
Aprendi quando criança, era só estar triste, feliz, com ódio, que lá ia eu com minhas canetas coloridas escrever no meu diário, escrever era tudo pra mim, depois chegou a puberdade e isso virou coisa pra fazer no telefone, mas mesmo assim ainda escrevia certas coisas que eram minhas, só minhas e de mais ninguém...hoje em dia as pessoas no telefone (ou no msn) só querem falar, não querem ouvir...é sempre assim. E hoje eu tô triste! Tô me sentindo mal, um lixo, com uma vontade incontrolável de chorar por horas e não tenho ninguém pra me ouvir, sei que se ligar, mandar sms ou coisa do tipo pras pessoas que fariam isso comigo se quissem um ombro pra chorar, elas não virão...e isso só me faz ficar mais triste....
Dessa vez escrever não me ajudou, não tô me sentindo melhor...


segunda-feira, 7 de março de 2011

Tudo Ao Mesmo Tempo Agora (O Post que deveria ter sido, mas não foi)

Esse deveria ter sido o meu post anterior, mas minha mente fechou...mas agora vai.

Era pra esse ter sido o meu carnaval, ao menos esse foi meu plano, esse era meu plano. Eu estava decidida a viver esse como se fosse o primeiro, era o carnaval da minha independência, era o carnaval da minha virada, eu ia celebrar a minha vida, a minha idade, minhas amizades, eu ia comemorar, ia ter uma semana fantástica, ia curtir e lembrar disso por ANOS, ia poder sentar e me lembrar disso no futuro, esse era o carnaval que marcava a minha mudança, quando eu alguém me perguntasse, ou quando eu quisesse me lembrar quando eu me tornei o que eu era, eu iria me lembrar DESSE carnaval e seria a melhor das minhas memórias, porque eu colocaria em ação o que eu planejo desde que comecei a terapia, mas alguma coisa deu errado nos meus cálculos ou eu fiz alguma coisa curva errada em Albuquerque (referência ao Pernalonga caso a piada não tenha sido entendida)....
porque o MEU carnaval se tornou um pesadelo, ou pior, já que pesadelos terminam pela manhã.
Depois de perceber que sou uma outsider durante o Sacramentado Folia, que tem gente que só é minha "amiga" quando não tem gente mais legal por perto (e isso tudo no domingo ANTES do carnaval), eu decidi que ia me jogar mais ainda nesse carnaval, afinal meu lugar não era mais na igreja e sim no mundão de meu Deus, eu ainda mantive minhas esperanças de que seria MESMO o meu carnaval e acho que foi aí que peguei o caminho errado, porque acho que esse foi um sinal de que eu deveria pegar minhas tralhas e passar o carnaval, sei lá...em Saracuruna, sozinha pensando na vida e só voltar pra casa depois do das cinzas....as coisas só piorava, já que o Monobloco, que no caso era a minha maior expectativa pra esse carnaval, descubro eu, será no dia do aniversário do meu pai, o que não seria problema nenhum já que o bloco é pela manhã, mas tem a tal missa de envio...e eu serei enviada...pro que? pra onde? por quem? Isso eu nem sei, e no atual momento da minha vida, tô achando que não quero ser enviada pra canto nenhum, só pra férias com tudo pago em Fernando de Noronha...fora isso não mesmo. Enfim...
Esse segundo sinal apocaliptico de que meu carnaval, não seria meu me deixou bem tristinha, mas ainda queria farra, zoar com as amigas e tal...e acabei no cordão do Bola Preta, que decepção, não vi o bloco, não zoei com as amigas, andei feito vaca e percebi que estava ficando de fora DOS MEUS PLANOS, oh que legal? Daí tudo bem, respira, conta até a dez, cem, mil, cantarola uma músiquinha, pensa que ano que vem vou estar trabalhando e vou ter dinheiro no Monobloco e pronto...tô bem de novo. Volto pra casa, me arrumo, vou pra Praça do Carmo e *bang* ME DIVIRTO, sim, me divirto aqui do lado, com a minha família, cercada de crianças e tomando Coca Cola...beleza...no domingo teria o Bangalafumenga com a Bell, mas o ânimo e a vontade de que seja o meu carnaval já se foram, então vou a missa das 9, volto pra casa, vou pro Guanabara, depois pro Extra (oh os progamões) e depois começa a merda...meu pai diz que vai na rua e volta pra gente ir almoçar fora, minha mãe termina de guardar as compras e ele não chegou, aí ela surta e vai atrás dele, eles voltam e nós vamos almoçar num restaurante em Bonsucesso com uma família de amigos...tudo bem, eu me animo, decido ir mais uma vez pra Praça, aproveitar o carnaval, mas minha tia nem quer ir...minha mãe idem, e meu destino e ver os desfiles comendo pastel, okay! Mas o carnaval ainda não acabou então saio mandando mensagens, perguntando quais os planos pra amanhã (que no caso é hoje) e aí beleza ninguém tem planos e eu tenho a ideia de ir pro Volta, Alice só recebo uma resposta e assim mesmo nem chega a ser uma confirmação, vou vendo os desfiles e esperando a tal confirmação que não chega NUNCA, okay...o jeito e dormir até tarde...tem blocos a tarde e a noite, tem terça e ainda tem a quarta de cinzas, afinal meu catolicismo tá berando o NADA então resguardas a quaresma pra que, né?
Mas hoje acordo com gritos, briga e faço algo que NUNCA fiz na vida, me METO...me meto mesmo, vou dar pitaco, afinal não sou criança e não preciso fingir que não tô ouvindo...as coisas se acalmam e eu venho pro meu refúgio, a internet e percebo que as pessoas estão vivendo o carnaval delas e só... e que o MEU carnaval aconteceu, só que não do jeito que eu planejava. Realmente marcou uma mudança MUITO importante na minha vida, só que não foi a base da farra, foi na base da realidade...
As coisas aqui já se acalmaram por completo, minha mãe tá mais calma, foi comprar lanche pra gente comer vendo o desfile e é isso que eu vou fazer...ficar e ver o desfile com ela, porque é o que tenho pra hoje, ia chamar umas pessoas pra Carmelitas amanhã mas parei pra pensar...e bem...pra que convidar, né? De repente eu vou sozinha...de repente eu fico em casa...mas chamar alguém que sair é que eu não vou.

Enfim, chega...agora eu falei TUDO mesmo...e vamos encerrar que eu preciso de um banho, de pente nesse cabelo e dessas coisas da vida.
Ia colocar Fucking Perfect como a música desse post, depois decidi colocar alguma do Monobloco, afinal...é carnaval, né? Mas depois de tudo o que falei não ia fazer sentido...então veio a luz: Aline Barros - Recomeçar, afinal esse é o MEU recomeço, então..

That's All Folks





Tudo Ao Mesmo Tempo Agora

Segunda feira de carnaval e eu aqui de camisola, descabelada, me sentindo lixo e ouvindo um funk horrível que meu vizinho decidiu colocar no último volume. O dia hoje foi quente, fervido e juntou com mais de um milhão e meio de coisas que vinha acontecendo há um tempo e pronto! Tô numa vibe: "quero a morte" o que não é legal pra ninguém, né?
O pior é que tenho TANTO pra falar que acho que ou não vou falar coisa com coisa ou não vou conseguir é falar NADA!
Se bem que eu preciso falar, ou a coisa vai me dominar e eu não posso ser dominada.
Vou as poucos, ou vou tudo de uma vez.
Hoje acordei com uma briga, uma gritaria mas preferi fingir que estava dormindo e que não estava vendo nada pra que eles se acalmassem, mas a coisa foi ficando pior, até que ouvi a frase "pega então, me mata se for homem" e achei melhor me levantar antes que a polícia estivesse aqui em casa. Que meus pais não estavam bem, que minha mãe não estava bem, que o casamento deles não estava bem, tudo isso eu sabia...mas que eles estavam nesse nível? Minha mãe dizendo que vai embora só com a roupa do corpo, que não quer nada daqui, me dizendo que meu pai tinha uma amante que frequentava a nossa casa no passado, que só não foi embora porque na época eu era pequena...meu pai não se justificando, minha mãe chorando e eu querendo alguém que me ouvisse, que escutasse meu lado, que me ajudasse, que me disse pelo menos: "Vamos beber pra esquecer", porque afinal a briga é deles eu tô só no meio, perdida, largada mas cade essa pessoa? Não veio, não tá e pior...
NÃO EXISTE.
Sim porque percebi que não tenho amigos, tenho não...e nem é drama de momento é uma constatação de tempos, coisa que está aí no meu blog pra quem quiser ler...eu tô sozinha no mundo e sozinha mesmo, porque minha mãe deu perda total, eu vou me esforçar pra levá-la pra terapia, porque ela precisa de tratamento, meu pai já tem 51 anos e agora não tem mais jeito, o jeito dele é esse, de rua, de sair o dia inteiro e se não mudou até hoje e principalemente depois de hoje, ele não muda mais...e amizades, bom, eu não tenho...tenho muita gente que gosto de mais, que considerava meus amigos mas já vi que não é assim...que no fim tô sozinha mesmo. Que ouço muito os problemas dos outros, que apoio muito aos outros mas que quando eu sou a vítima, eu que me vire falando pra ninguém nesse blog, sim porque noção de que ninguém perde tempo lendo essa merda eu tenho, mas o que fazer se só assim pra eu desabafar pelo menos, essa é a evolução do meu "falar sozinha", eu falo sozinha pra internet...e o que dá...não falei metade do que eu queria, mas meus problemas recomeçaram...ainda tenho MUITO pra falar pra ninguém, e vou falar mais em outros posts...e postar no twitter e esperar que algum dia, alguém pelo menos leia....
Nem vou colocar música, até porque assim que eu postar esse post, vou escrever mais um, que é o que eu realmente queria pra hoje...

Já venho!