Páginas

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Desabafo de sexta a noite...

Sexta-feira, lua cheia, calor e eu aqui...em casa, esperando acabar o download de "O que Esperar Quando Você Está Esperando"

E sabe que eu nem estou ligando muito. Nhém...ontem eu tive uma noite divertida, amanhã espero ter uma boa noite e tudo mais...e pra mim tá bom, melhor do que ficar chateada, aborrecida, magoada...
Odeio ser deixada falando sozinha no chat...ODEIO, mas fui...de novo, então meio que tá normal...já me habituei, vou me adaptando e daqui a pouco meu filho nasce, a barriga vai embora, eu volto a trabalhar e aos poucos minha vida vai voltando, eu vou poder colocar ele debaixo do braço e sair, não vou precisar ficar enfiada dentro de casa e nem ficar chateada com coisa alguma....então é isso...vou ver o 2º filme da noite e se o sono não vier vou jogar The Sims e vou dormir...e o futuro a Deus pertence.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Esvaziando a cabeça...

Eu estou feliz, como eu não ficava faz tempo. Todas as incomodações ainda incomodam, mas não são mais meu foco principal, todo aquela mágoa que cresceu em mim no carnaval passado também já calcificou e tá aqui ainda, mas não dói como antes. A raiva de olhar na cara do meu pai passou, não tenho mais aquela admiração cega por ele, agora o vejo como um ser humano falho, mas entendo também que ele se esforça muito e abriu mão de muita coisa na vida pra me dar a vida que eu tenho hoje e que não posso abrir mão disso tudo e tratar ele como um canalha, cafajeste, se minha mãe que foi quem foi traída (se bem que acho que ele traiu a mim também, traiu a família como um todo, mas enfim) perdoou porque eu teria que ficar remoendo isso...as amizades que não estavam lá pra me estender a mão e me tirar do fundo do poço, também foram "perdoadas", afinal ninguém é obrigado a estregar o seu carnaval pra resolver problema do outro, né? Maaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaas....apesar das dores passadas estarem menores e servindo para o meu crescimento pessoal, vem coisas novas, novas dores, novas preocupações e inseguranças .
Ao contrário de seres humanos normais que namoram por um tempo antes de reproduzirem,  eu primeiro fiz o filho e depois, em algum momento, acho que comecei a namorar. Digo que acho porque ainda não tenho plena certeza se estou namorando. E esse relacionamento não é dos mais fáceis pra mim...primeiro porque lá atrás, no comecinho eu fui enganada...na cara dura. Passei uma noite insone e mandei uma sms dizendo que enquanto ele dormia o filho dele me deixava acordada e recebi como resposta que ele também não dormiu porque teve insonia e um pouquinho depois deixou recado no Facebook de um amigo que ele tinha perdido a "festinha"...pensei em confrontar na época, mas não tinha nenhum relacionamento oficial, então reclamar do que, né? Claro que depois disso não rolou mais confiança, né? Depois disso fui ficando frustrada por nunca vê-lo pessoalmente, então reclamei....e as coisas melhoraram, depois perguntei o que a gente "era" e ouvi que nós eramos "mais que namorados"..ok...tudo bem, mas por que não conheço nenhum dos amigos dele? Por que a gente raramente sai? Até agora fomos uma vez ao cinema, só...e em abril! Por que não tem nada em rede social nenhuma que indique que ele está em um relacionamento? (Já reclamei disso e me senti idiota depois, mas tenho um motivo pra isso ainda me incomodar) E por que ele acessa ao Badoo? Sério? Como isso me machucou...estava eu sem conseguir dormir e maldito diabinho que tem sua oficina em cabeças vazias ficou me mandou ligar o pc e eu fui lá e fiz, naquele dia eu desabafei com a Liz, disse o quanto eu estava chateada, preocupada por não ter nada no perfil dele que indicasse que ele tinha um relacionamento e pior ainda, que o Igor estava chegando e fui no perfil dele e mandei uma inbox com toda minha mágoa concentrada,  e aí o diabinho me mandou abrir o Badoo e lá fui...e me mandou entrar no perfil dele pra ver quando foi a última vez que ele tinha acessado e vi que faziam 2 dias...POR QUÊ? Eu só entrava no Badoo quando estava a procurar de alguém pra sair, pra me distrair...por que ele havia acessado há 2 dias? E desde esse dia eu me sinto muito mal...MUITO, semana passada as coisas melhoraram, eu me animei, comecei a acreditar que pode dar certo, mas sem confiança? E como confiar? Eu sinto vontade de voltar nesse assunto, perguntar por que ele acessou o Badoo, mas tenho medo de parecer chata e da resposta que posso receber e aí eu fico assim...tudo me deixa desconfiada e eu só preciso confiar. Confiando tudo se ajeita e eu quero tudo ajeitado, eu mereço tudo ajeitado...faz tanto tempo que eu só tomo no cu em relacionamentos que eu merecia ser feliz pelo menos uma vezinha, né? E pra finalizar ele manda uma música, que eu amo de paixão, e disse que é a nossa música e nos trechos que ele diz que mas parecem com a gente tem o "Encontro um abrigo no peito do meu traidor"  Diz pra mim, eu penso o que? E dói, viu? Saber que a única que me impede de ser feliz de fato é a falta de confiança...

E acho que é isso, esvaziei a cabeça, enchi a penseira (J.K Rowling, eu te amo, viu?) e espero acalmar meu coraçãozinho um bocadinho e continuar lutando em rumo da minha felicidade, porque olha...eu mereço.






sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Ser Feliz ou Ter Razão?

“Oito horas da noite, atrasado, o casal segue para um jantar na casa de amigos. Tanto o endereço quanto o caminho são novos, mas a esposa teve o cuidado de conferir o mapa antes de sair. O marido dirige, enquanto ela o orienta e pede para que vire na próxima rua à esquerda, porém ele tem certeza de que deve virar à direita. Uma pequena discussão se inicia, mas ela deixa que ele decida o que fazer. Ele então vira à direita, mas percebe que estava errado. Com certa dificuldade, ele admite o erro, enquanto faz o retorno. Neste momento sua esposa sorri e diz: - Meu bem, não há nenhum problema em chegar um pouquinho atrasado. - Mas se você tinha tanta certeza de que eu estava tomando o caminho errado, porque não insistiu um pouco mais? – Perguntou o marido. - Bem, entre ter razão e ser feliz, eu prefiro ser feliz. Nós estávamos à beira de uma discussão, e se eu insistisse um pouco mais, teríamos estragado nossa noite.” .

Antes de apenas reagir às situações, faça a você mesmo duas simples perguntas: Qual é o meu objetivo? Esta atitude que estou prestes a tomar me coloca mais perto ou me afasta dos meus objetivos? Se sua resposta para esta última pergunta é “me afasta dos meus objetivos”, então descarte-a; prefira ser feliz. Isso vale para qualquer área de nossas vidas. Se você saiu de casa para se divertir, divirta-se. Se está no trabalho para fazer o seu melhor, faça-o, se viajou para relaxar, então relaxe. Não deixe que situações inesperadas lhe causem sentimentos ou emoções que o afastem de seus objetivos. Nós gastamos muita energia para demonstrarmos que temos razão, quando deveríamos usá-la para conquistar aquilo que realmente desejamos. Afinal, o que você prefere: Ser feliz ou ter razão? .


Texto kibado daqui.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Par Perfeito (?)

Coisa complicada é ser gente grande, as pessoas deveriam dizer para as crianças e especialmente para os pré-adolescentes. Ser grande é difícil, cansa e dá um trabalhão danado. Quando você é criança você quer muito pouco da vida, quando está na pré-adolescência (e na adolescência também) você quer exageradamente muito. Vejamos os relacionamentos, se você tem 5 anos seu relacionamento ideal é com o menino mais bonito da classe, e ele nem precisa gostar de você de volta, você gosta dele e pronto é seu namorado, perfeito, sem dor de cabeça, sem sofrimento, sem lágrimas, sem decepções. Salvo aquela menina linda que teve o coração partido pelo professor (vídeo aqui). Quando você tem entre 12 e 15 anos o relacionamento ideal é aquele de conto de fadas, com um cara que se pareça com o Marcio Garcia (pelo menos ele era minha maior paixão quando eu tinha essa idade, a quem eu estou enganando ele É minha maior paixão desde Tropicaliente), ele é romântico, tem pegada, é educado, seus pais gostam dele, suas amigas gostam dele, você gosta dos amigos dele, ele te leva nos seus lugares favoritos, vocês gostam das mesmas coisas e bem...até você descobrir que esse cara não existe você vai tentando achar alguém assim ou transformar uma pessoa que chegue perto disso no namorado perfeito. Então passam mais alguns anos (eu tô só supondo porque não passei dos 16 ainda cof cof cof) e você começa a diminuir seus sonhos (se tem mais de 20 anos e está a espero do homem perfeito uma surra é bem merecida), mas não seus padrões. Falemos de mim (não é legal como eu escrevo de um modo que parece que sou lida por milhares? adoro isso), eu sei que não vou achar um Marcio Garcia de idade entre 26 e 30 anos, solteiro, com carro, que goste de Glee e Once Upon a Time, que agrade minha mãe de cara, que tenha uma mãe cabeleira especialista em escova progressiva e que nunca me cobre porque me adora, tenha uma casa de praia, goste de ir ao cinema, adore comer pizza, tenha amigos que eu adore, goste de cachorros, botafoguense, carinhoso, atencioso, não tenha amigas, fiel, bem humorado, engraçado e viciado em The Sims. Até porque se esse homem existir, aposto que ele é não é heterossexual. Mas, não é porque eu sonho menos que meus padrões são menores também. Não sou dessa que exige características físicas, até porque se eu quiser um Marcio Garcia eu teria que ser, no mínimo a Jessica Lucas, mas tem algumas coisas que eu quero em namorado, o primeiro passo é eu ter sempre noção de que ele não vai ser perfeito, nem ideal, nem que me complete, mas ele precisa ser bem-humorado, ter paciência (porque eu sou chata pra caralho), me deixar tímida só com o jeito de olhar pra mim, gostar de conversar desde bobagens que não façam o menor sentido até coisas sérias, ser carinhoso (eu curto carinho), me surpreender vez ou outra com alguma coisa de mulherzinha (que não sejam flores, flores tem cheiro de velório), perguntar como foi meu dia, me beijar quando eu não estiver esperando, me apresente aos amigos, me leve pra sair de vez em quando (nem que seja uma rolê no Cariocão), não reclamar que eu sou desbocada (falo uma caralhada de palavrão mesmo, não gostou me engole), ser sincero (descobrir uma mentira dói igual tomar chifre), ser fiel (deu vontade de catar outra, pé na minha bunda e vida que segue) e heterossexual...na boa, não tô pedindo muito, aceito que tenha defeitos, passado, amigos babacas....claro era mais fácil lá com 5 anos, mas ninguém me avisou que crescer era tão complicado, o que me diziam é que eu ia querer voltar a ser criança, mas NUNCA me disseram o porque.
Nesse exato momento, as vezes acho que estou num relacionamento com uma pessoa dentro dessas características, as vezes acho que não estou em nenhum relacionamento, as vezes acho que tá melhor pra mim do que pra ele...bastante coisas na lista estão dentro da lista, outras bem fora e outras eu não tenho certeza. Aí eu sigo determinada a investir, fazer dar certo, mas vem aquelas coisas que desanimam e vem a vontade de chutar o balde e vem a sensação de que não vale a pena lutar e vem a complicação de ser grande. Uma criança já tinha desgostado e achado um novo namorado, uma adolescente já tinha sido passional e quebrado tudo (e talvez consertado) e eu fico aqui...com medo de meter os pés pelas mãos, de falar de mais, de reclamar a toa, de ser a chata, de afastar de mim...se rolasse uma liberação eu voltava pra 199 onde minha única preocupação era não perder a hora da novela e ter meu namorado perfeito, bem ali em 14' na sala.



That's All Folks

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Ninguém me disse que ia ser fácil, minha mãe me chamou de burra, meu pai de irresponsável...foi complicado no começo, eu tinha medo, MUITO MEDO, mas amansou e o tempo foi passando, rápido até e já foram 24 semanas desde o dia que eu descobri, e 23 desde que contei pros meus pais. E as coisas estavam começando a dar certo, eu estava acreditando que até o final do ano que vem eu teria a minha casa, meu cantinho e uma família minha, mas esse é o problema de contos de fadas de mais, a gente acredita que as coisas vão acontecer fáceis....não vão!
Eu tô sozinha, carente e a pessoa que deveria estar me apoiando parece que está me escondendo. Doeu...doeu muito e resolvi tirar "satisfações", abri a porta de novo dizendo que se quisesse ir embora era só sair, mas ele não me deu resposta e nem sinal de vida...depois de me largar falando sozinha ontem a noite não apareceu mais, nem pra ver minha mensagem...
Então a gente pensa em conversar com alguém, minha mãe não dá...ela não ia conseguir ser imparcial e se as coisas se acertam com ele, ela ia ficar com isso pra sempre, então vamos ao BBC, as meninas de lá estão na mesma fase, elas vão me entender e puxar minha orelha se necessário...isso claro, se me dessem confiança, né? Então tô assim...sozinha, chorando, carente e tentando imaginar como e quando vou conseguir ter a minha casa, porque sozinha vai ser mais difícil...adeus obra, ficamos com ela pequena mesmo, adeus creche, pelo menos até eu me formar e arrumar um bom emprego, o jeito é ficar com a minha mãe...adeus viagens, adeus Maria Cecília...porque não posso passar por nada disso sozinha de novo....

Eu preciso de uma luz....e de um ombro pra chorar...e de uma resposta!!! Não quer ficar comigo, não precisa, a única coisa que precisa e dizer isso direto pra mim.