Páginas

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Era uma vez... (Parte 1)

Eu sou grande fã de conto de fadas e me tornei grande do seriado Once Upon a Time também, por lá as histórias são "levemente" diferentes das histórias da Disney. Hoje enquanto perambulava na tag "Disney's Princess" no tumblr encontrei as versões originais de algumas delas, a maioria tem bem menos fru-fru, então decidi traduzir e compartilhar "cocês", mas como sou tagarela toda vida rola uns comentários entre parentes...Espero que gostem!

Branca de Neve

Quem entendeu a foto me add no orkut!
Antes da Disney transformar a história da Branca de Neve num conto tão lindo e politicamente correto para crianças (apesar de proibido na Inglaterra quando lançado por ser muito violento) a história da Branca de Neve era um pouquinho mais sinistra. A versão mais comum pré-Disney da Branca de Neve foi a escrita pelos Irmãos Grimm em 1812 (praticamente ontem). Apesar do Walt Disney ter usado o mesmo esboço da história original na sua animação em 1937 (uma das minhas avós tinha 7 anos e a outra nasceria apenas 2 depois) ele deixou alguns detalhes mais macabros de fora. Na versão original a Rainha Malvada comia o coração que ela achava ser o da Branca de Neve, que na verdade era o de um javali que havia sido estirpado pelo Caçador. Na versão original a Branca de Neve é doce e fofinha também mas, seu despertar acontece de uma forma bem menos romântica. Não é o primeiro beijo de amor verdadeiro que a acorda, na versão original ela fica com um pedaço da maçã envenenado preso na garganta e quando seu caixão está sendo carregado para o local em que será enterrado, alguém do grupo tropeça e ela desengasga. E pra finalizar a Rainha Malvada recebe uma punição mais cruel do que ser assassinada por animais fofinhos, na versão original ela é obrigada a dançar usando sapatos feitos de ferro quente até a morte. 

Cinderella 


A Cinderella na verdade é uma princesa antiga e multi-cultural. A versão que a Disney se baseou pra sua animação de 1950 foi baseada numa história popular escrita pelo autor francês Charles Perrault em 1697, mas a princesa começou sua escalada pra fama bem antes disso.
Um mito da Grécia Antiga no ano 1 A.C fala sobre um bonita jovem egípcia que teve sua sandália roubada e levada para o rei por uma águia. O rei então começou uma procura insana pra saber de quem era aquele belo sapatinho e casou com ela quando ela foi encontrada. (pense num fetiche)
Outra versão, já na China antiga retrata uma jovem que encontrou um peixe que era a reencarnação de sua mãe (lembrei da Phoebe com o gato). A jovem usou o osso mágico do peixe (Duas coisas: Desde quando peixe tem osso? e Ela matou a encarnação da mãe?) para se vestir lindamente para o baile de Ano Novo. Depois de perder o sapato ela acaba se casando com o príncipe que a ajuda a se livrar da madrasta e suas filhas malvadas.

Aurora (A Bela Adormecida)

A princesa Disney de 1959 originalmente tem muita história deixada de lado depois de toda história do "peganosonoeéacordadaporumpríncipe". A versão original publicada pelo Charles Perrault (Aurora e Cindy são irmãs) em 1697 e adaptada pelos Irmãos Grimm  gira em torno de uma princesa chamada Briar Rose (a Linda Rosa Juvenil, sacas?). Enquanto a primeira parte do conto é parecida com a versão da Disney, a segunda parte tem um "que" de Irmãos Grimm e fala de ogros. Acontece que a sogrinha da Aurora é uma ogra (ou um seria um ogro fêmea?) e a princesa só descobre quando já se tornou rainha e teve dois filhos, uma menina chamada  L'Aurore e um menino chamado Le Jour. Quando a mamãe vai visitar seu filhote, agora rei ela tenta comer a nora e os netinhos. Por sorte o príncipe não é um filhinho de mamãe, salva a família e joga a véia num poço cheio de cobras.

A Pequena Sereia

A versão Disney e a do Hans Christian Andersen são até bem parecidas. As duas princesas trocam suas caldas e vozes por um par de pernas para que possam ir para terra firme e conquistar seus príncipes. Só que A Pequena Sereia original merece um pouquinho mais de nossas simpatias porque a Bruxa do Mar a amaldiçoou com uma dor terrível cada vez que ela colocasse peso sobre suas pernas. Sem poder falar, seu único jeito de impressionar o príncipe era dançando (pense na dor).  Como desgraça pouca é bobagem o príncipe casa com outra e a sereiazinha se dissolve e se transforma em espuma do mar.


Bela

Hã?Hã? Entendeu?
A Bela original não gostava mais de livros do que de meninos. Reza a lenda que a história escrita em 1740 por Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve (Isso é que é um nome!!!) foi escrita para persuadir jovenzinhas a se casarem com homens "não tão atraentes", mas ricos. A Bela do século XVII era uma menina de 14 anos filha de um homem que havia perdido sua fortuna. A jovem, prometida a Fera por seu pai, se mudou para o castelo do monstro e se tornou dona de toda sua fortuna e servos. Quando suas irmãs interesseiras descobriram que ela tinha tirado a sorte grande a convenceram a deixar o homem pra lá, torcendo pra que ele ficasse possuído de ódio e a comesse viva (adoráveis essas irmãs), mas ao invés disso ele quase morre de coração partido (ou dor de cotovelo, como preferirem). Quando a jovem Bela volta ao castelo para consolá-lo ele se transforma num belo príncipe.





Amanhã posto a parte 2 com  Jasmine, Mulan, Tiana, Rapunzel e Merida.

That's All Folks

Um comentário: