Páginas

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Visceral

Queria saber quem o infeliz que nos impôs que a única felicidade que presta é a visceral. Só sossegamos quando nossa felicidade é quase tangível, ser só um pouquinho feliz não basta. É preciso ter tudo, se não for o pacote completo não presta.
Eu conheço uma jovem de 30 anos, formada e pós graduada, que vive sozinha em um apartamento relativamente bem localizado, ganha bem e sai todos os finais de semana. Para muitas pessoas ela está no lugar certo, deveria ser feliz e pronto, mas na nossa sociedade só isso não basta. Então ela não está satisfeita, falta um marido, filhos, uma casa de quintal e um cachorro fazendo bagunça. E quando essas coisas foram alcançadas, vai faltar um carro, viagens em todas as férias...e bla bla bla...sempre vai estar faltando alguma coisa.
Aquela felicidade visceral, aquela sensação de que não há nada na nossa vida que possa melhorar, ah meu amigos, ela nunca será alcançada e ainda bem, né? Afinal, depois de um tempo deve ficar entediante.
Falando por mim, eu sinto vontade dessa felicidade visceral. Um namorado atencioso e que toca violão, sexo com freqüência, tv a cabo, carro na garagem, faculdade...é pouco. Eu quero a minha casa (e que seja perfeita), corpo de panicat, filhos, diploma, negócio próprio, um bom salário, viajar duas vezes no ano...
E a culpa dessa necessidade à felicidade visceral é da mídia, que nos vende essas imagens. A mocinha da novela só encontra a felcidade, no último capítulo, quando engravida, casa (com o mocinho rico) e tudo mais, o pobre da TV é feliz de um jeito mais barulhento e caricato.
Felicidade visceral não existe...e precisamos aprende isso, pois a cada geração a necessidade de atingi-la aumenta e o encontro com a felicidade real diminui.
Sejamos felizes, dentro do que temos. A vida real pode ser bem divertida.

Caso você tenha começado a vir aqui depois que entrei no BBC, você nunca leu esse texto da Martha Medeiros e eu recomendo a leitura.

That's All Folks.

Um comentário:

  1. Mari, amei esse texto e o anterior, pois sempre tive o pensamento de que nao existe FELICIDADE com letras maiúsculas, nunca poderemos ser felizes por completo, a felicidade real esta presente todos oS dias, basta fechar os olhos e sentir a respiração, pos estamos vivos. Pobres de mente êh quem nao vive o dia a dia, e só acha que será feliz qdo adquirir certa coisa ou fazer certa coisa. Um dia quem sabe escrevo um livro, onde o o nome será: O verbo da felicidade êh moderar!

    Saiba que te admiro muito, adoro seu blog.
    Beijos meu Nanda e do Be.

    ResponderExcluir