Páginas

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Grrrrrrrrrr

Nesse momento eu estou altamente puta da cara!
Tanta raiva que minha garganta dói, é como se tudo que está entalado na minha garganta se tornasse uma bolota física que me engasga e arde de verdade.
Eu sabia que isso ia acontecer, eu tinha certeza absoluta...mas ele disse que "não" e tã Dã...eu estava certa.
Mas que porra, viu?

sexta-feira, 17 de abril de 2015

O que é a felicidade?

Desde que decidi construir esse ensaio tenho lido muitos artigos sobre o tema e já montei uma lista de livros pra ler. Mas uma coisa é certa, a felicidade é subjetiva, ou seja, por mais embasamento científico que esse texto contenha afinal, não haverá um resposta uma resposta definitiva ou correta, cada pessoa verá a felicidade de uma forma, cada pessoa encontrará a felicidade em algum lugar, algumas pessoas irão buscá-la eternamente e nunca irão achá-la, outras muitas terão encontros diários com ela. O que difere essas pessoas? Suas crenças, experiências, decisões? O que faz, definitivamente uma pessoa feliz? É possível ser feliz e não saber?
O que, afinal, é a felicidade?
De acordo com o dicionário da língua portuguesa é: 1. Concurso de circunstâncias que causam ventura. 2 Estado da pessoa feliz. 3 Sorte. 4 Ventura, dita. 5 Bom êxito.
Tal qual a imagem de motivação, o dicionário também nos diz que a felicidade é questão de sorte.  Para o budismo a felicidade é a superação do desejo, de todas as formas. É preciso serenidade mental pra ser feliz, não adianta ter amigos, riquezas ou coisa alguma se não há uma mente disposta a ser feliz.
Jean-Jacques Rousseau acreditava que o ser humano era originalmente feliz e perdeu essa felicidade com o advento da civilização e só encontraria essa felicidade voltando a simplicidade original.
Talvez felicidade seja ter a sorte de encontrar um lugar para se viver de forma simples  e serena. Ou talvez felicidade seja chegar do trabalho depois de um dia cansativo e beber um copo de refrigerante gelado enquanto se assiste um vídeo divertido pelo celular.

Gerando um projeto

Quando precisa responder "qual o seu sonho?" em cadernos de perguntas sempre respondia "ser feliz". Era esse meu sonho, conseguir a felicidade plena, atingi-la, ser feliz sempre. E nessa minha busca pela felicidade, o universo me guiou ao "Ensaio sobre a felicidade", um projeto que eu estou gerando e pretendo parir ainda em 2015.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Ensaio sobre a felicidade

Ensaio é um texto literário, situado entre o poético e o didático, expondo ideias, críticas e reflexões éticas e filosóficas a respeito de certo tema.
Felicidade é o estado de quem é feliz, bem- estar, contentamento. O oposto de felicidade não é tristeza, e sim infelicidade, ou seja, é possível ser feliz e estar triste ou ser infeliz e estar alegre.
É possível atingir a felicidade plena? Existe um segredo pra ser feliz? O que faz alguém feliz? O que te faria feliz? O que falta pra você ser feliz?

Vai levando...

E daí que ontem enquanto eu ainda refletia sobre onde estou, quem sou, pra onde vou decidi dar uma limpada na minha caixa de e-mail e li uma mensagem "Que a rotina vire felicidade" e bateu aquela coisa de conflito, sabe? Porque, a primeira vista, essa mensagem contraria a ideia de ontem, a moça que terá mil primeiras vezes não vive mais a rotina de sempre...
E aí veio a dúvida faço como? Busco uma vida que me faça feliz ou busco felicidade na vida que eu tenho?
Um textinho tão simples, tão comum e tão profundo, tão questionador.
"Eu almejo sim batalhar pelos meus sonhos e viver intensamente o contentamento de suas realizações."
Ora, aí está a resposta. Encontrar felicidade na rotina, não é se conformar com a vidinha de sempre, não é deixar de buscar uma vida melhor, experiências novas. Encontrar felicidade na rotina é não se abater pelos dias normais, porque eles existem. Não é todo dia que vamos descer o Insano, andar na
Millennium Force ou passar o Natal na Disneyland, vão ter dias com corre corre, louça pra lavar, roupa pra passar e filho pra cuidar e nesses dias não dá pra ir dormir frustrado, tem que ser feliz também...Mas, sem obrigação de encontrar aquela felicidade de tv, viu?

Enquanto isso no lustre do castelo estou penando pra fazer o novo layout, deixar mais a minha cara...

terça-feira, 14 de abril de 2015

O que aconteceu comigo?

Essa semana vi as fotos da formatura da minha turma original da faculdade, uma das colegas é formada, agora, em direito e psicologia. Lembrei que era esse meu sonho de infância, ser formada em direito e psicologia e trabalhar na Vara de Família, ia ser a única advogada que pensava nas crianças.
Hoje de manhã estava assistindo o programa da Ana Maria Braga e uma matéria sobre "primeira vez" me chamou muito a atenção. não falava só da primeira vez sexual e sim de primeira experiências. Nela, uma mulher falava da experiência de viver 365 primeira vezes (que foi ampliada pra 500 e agora pra mil), sendo assim todo dia ela faz algo novo, todo dia ela vive uma primeira vez, e eu fiquei ali pensando "meu Deus, que maravilhoso"
Juntaram-se em mim as duas coisas, que podem parecer não ter nada haver, mas me dei conta que nesses 27 anos fui me matando aos pouquinhos, fui transformando meus sonhos em bobagens, em perda de tempo. Não cursei Psicologia logo de cara porque era muito caro, fui fazer Turismo porque era barato e dava dinheiro, e o direito eu simplesmente apaguei de mim quando a mãe de uma ex amiga disse que nós três (a filha dela, uma terceira amiga e eu) querermos cursar a mesma faculdade era no mínimo estranho...me afetou, deixei pra lá (só a terceira colega, atualmente é advogada).
Daí caí na besteira de dizer que quando me formasse, talvez cursasse direito e ouvi "nossa mas aí é gostar muito de faculdade" e guardei pra lá de novo. Fiquei colocando na minha mente que é besteira, desnecessário, que não preciso disso...
Não sei mesmo o que aconteceu comigo, em que momento virei essa pessoa que é apenas igual a todo mundo, só sei que hoje eu deixei de sê-la.

Quase lá...

Editei umas coisinhas, apaguei outras e já está quase na hora de abrir de novo, falta só mudar o template e deixar com uma cara nova...

segunda-feira, 13 de abril de 2015

Ainda cas portas fechadas

A ideia era mudar o blog pra um usuário genérico, assim nenhum cliente corria o risco de me achar e mudar de terapeuta para uma menos lelé, mas vou só apagar as fotos pessoais e ver se dá pra passar batido. Será?
A merda é o trabalho que vai dar...
Queria trocar de template também... Enjoei desse (aliás enjoei do outro também)...

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Fechando as portas

Vou trancar aqui, mudar para somente leitores convidados. Algumas mudanças se farão necessárias e, enquanto eu arrumo a casa não vou poder deixar entrar todo mundo. OK? Grata.