Páginas

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Descontruidona

Eu sou uma chata de galocha!!!!
Contesto piadas, problematizo filmes, debato preconceitos...
Eu não consigo achar graça em piadinha homofóbica, não consigo mais engolir racismo como algo normal, comédia romântica com enredo machista não me desce.
"O mundo tá chato", é o que dizem e eu concordo. Porque se pra mim é insuportável de chato ver gente achando pior o Alexandre Borges com os travestis do que usando cocaína, deve ser insuportável de chato pra galera homofóbica ver que o preconceito contra orientação sexual está cada vez menor.
Ainda tenho MUITO que melhorar, isso é fato, tenho muito preconceito pra desconstruir, mas eu sou um ser em constante evolução e com a gigantesca responsabilidade de educar dois outros seres humanos eu preciso aprender para poder ensinar....

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Continue a nadar...

Eu venho me esforçando pra ser sempre a melhor versão de mim mesma, um dia de cada vez, um defeito de cada vez.
Eu ainda tenho muitos defeitos de estimação, muitas mágoas que não me permitem evoluir, mas eu sigo melhorando nem que seja um pouquinho por vez.
Hoje, por exemplo, o exercício era não reclamar daquilo que não tenho controle. Obviamente que falhei.
A impressora pifou e eu reclamei um monte, quase chorei, inclusive.
Depois respirei fundo e fui fazer o que estava ao meu alcance, procurar uma nova multifuncional em conta cujo cartucho também não custasse um fígado.
Mais tarde minha mãe deu uma alfinetada, daquelas pra me diminuir com a intenção de se sentir superior e eu me ofendi, óbvio. Mas, não reclamei. Eu não posso controlar a maneira que ela se porta, mas posso controlar a forma de me sentir.
E assim a gente segue...
Quando sinto que a intenção é me ofender, me diminuir, eu faço uma prece pra pessoa e outra pra mim.
E aqui entramos no assunto, a "amyga" que tem claramente me menosprezado, tipo sempre. Quanto mais olho pra trás, mais vejo que sempre foi assim...e aí faz o que?
Ah sei lá eu!!!!
Eu sigo a tratando da melhor forma possível, sem falsidade...eu gosto mesmo dela, mas também não me rebaixo, né?
Espero que um dia ela abra o jogo, o coração e, ou encerre essa amizade ou não sinta mais a necessidade de se sentir superior.
E segue o jogo, segue o fluxo...
Nas sábias palavras de Dory "continue a nadar"

sábado, 3 de setembro de 2016

...vai que é doença.

Narcos estreou a segunda temporada ontem e como boa seriamaniaca que sou, cá estou a assistir.
Como acompanho 16 séries, utilizo o app do Banco de Séries pra saber onde estou em cada uma.
No app podemos comentar cada episódio e aí morou meu erro, quebrei a regra de ouro da internet e li os comentários.
No episódio o general Carillo matou um jovem de cerca de 15 anos, informante do Escobar e lá nos comentários um sujeito comentava "A esquerda pira. Espero que os esquerdopatas vejam o que se faz com bandido e bla bla bla..."
Mano!
Acho que a eleição de 2014 quebrou todo mundo!!!
Não é possível que a pessoa não consiga assistir uma série sobre um narcotraficante colombiano sem pensar em política brasileira.
Não é possível que as pessoas dividam a população em inimigos e aliados.
Não é possível que só existem coxinhas e pão com mortadela.
Não é possível!!!!
Será que as pessoas esqueceram da subjetividade?  Que nem tudo é preto ou branco?
Sei lá eu, viu?
Sei que vou nem zoar...